Me disse que as coisas que não existem são mais bonitas.

Poema da Lesma

se no tranco do vento a lesma treme
o que sou de parede a mesma prega
se no fundo da concha a lesma freme
aos refolhos da carne ela se agrega
se nas abas da noite a lesma treva
no que em mim jaz de escuro ela se trava
se no meio da náusea a lesma gosma
no que sofro de musgo a cuja lasma
se no vinco da folha a lesma escuma
nas calçadas do poema a vaca empluma!

(Poema de Manoel de Barros musicado por Tetê Espíndola)




VII
Toda vez que encontro uma parede
ela me entrega às suas lesmas.
Não sei se isso é uma repetição de mim ou das
lesmas.
Não sei se isso é uma repetição das paredes ou
de mim.
Estarei incluído nas lesmas ou nas paredes?
Parece que lesma só é uma divulgação de mim.
Penso que dentro de minha casca
não tem um bicho:
Tem um silêncio feroz.
Estico a timidez da minha lesma até gozar na pedra.


Em homenagem aos nossos companheiros de Conselheiro Lafayete que carregam a poesia nas costas como a Lesma o seu casulo. 

Evoé!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...