Estudante é acusado de corrupto ao debater política. Questionamos a Raphael Chaves: é memo?

O princípio citado no blog O observatório é muito nobre: "Um excelente modo de fazer o bem é a firme decisão de combater o mal." E é isso que o dono do blog César Mori Júnior faz. Ele têm todos nossos parabéns por identificar o mal e o expor à sociedade lavrense. Afinal, um universitário filhinho de mamãe que nem estuda em lavras só poderia estar culiado com o mal se tentasse, junto com outros coleguinhas, propor a discussão dos direitos dos cidadãos da Terra dos Ipês de não serem explorados por uma empresa que cumpre horrivelmente (segundo alguns) a sua função.


Os puros devem tentar se manter afastados do mal, e conspiradores que se reúnem em plena praça pública (isso não era proibido na ditadura? “Socorro, a censura acabou!”) para discutir política devem ser duramente combatidos. César Mori não entrou em contato com o atacado em questão, e postou diversas percepções distantes e disformes sobre corrupção, favoritismo, politicagem (compreensível pelo que se sabe do modus operandi de todos os lados da política da província em questão). No entanto, acreditamos que o famigerado líder da revolução proletária lavrense merece um estudo um pouco mais detalhado. Segue a entrevista que o grupo Larvas Poesia fez com o semeador da discórdia.


(na ótica do inquisitor):


Comecemos com pedrada! Qual é o grupo de oposição que paga a você para que se indigne? Eles pagam bem ou é só um hambúrguer no mau-mau?
Grupo de oposição?? Existe isso aqui em Lavras?? Até onde eu sei, temos onze vereadores na câmara e apenas um que se coloca como oposição. Bom, temos também um jornal de oposição. Acho que poderão verificar que não recebi nenhuma assinatura gratuita da dita folha ou algo do tipo. (rs)
O blogueiro diz que essa mobilização é uma bandeira política. Até aqui concordamos. Penso que consciência política é um dever do cidadão. Penso que temos dever de contestar e criticar o poder público sempre que achar que devamos e quando nos sentirmos afetados por uma medida, temos a obrigação de nos organizarmos e nos colocarmos diante do mesmo poder público que nos representa (ou deveria) pra exigir nossos direitos. Mesmo que você more em São João del-Rei ou em qualquer outro lugar, isso não desqualifica a sua luta. Pois foi esse um dos argumentos geniais do blogueiro na tentativa de me desqualificar. Disse que eu não moro em Lavras, não freqüento regularmente a cidade e não fui afetado por esse aumento da tarifa. Bom, realmente não moro em Lavras. Desde 2008 moro em São João del Rei, onde acabo de concluir minha graduação em História e onde iniciarei minhas atividades como aluno do mestrado esse ano. Apesar disso, não sei de onde o blogueiro tirou essas informações. Dizer que não frequento a cidade com regularidade? Estou em Lavras TODOS os fins de semana... e são muitas as testemunhas que podem atestar isso. Não fui afetado por esse aumento? Mas eu sou usuário do serviço. Colocadas essas calúnias de lado, o argumento do blogueiro é tão ridículo quanto dizer "Não nos importamos com as vítimas do terremoto no Haiti. Somos brasileiros, afinal de contas." Essa visão provincialista é típica das mentalidades autoritárias que, confortavelmente atreladas às oligarquias, sempre que se levantam vozes em protesto, sentem-se ameaçadas e tomam as bandeiras políticas como heresia. Entretanto, o blogueiro disse que essa mobilização está sendo patrocinada pela oposição. Eu não tenho conhecimento disso. Mas imagino que cada pessoa que postou uma mensagem ou uma tirinha demonstrando sua indignação com o aumento da tarifa (e foram muitas pessoas), deva estar sendo manipulada por alguma força invisível então.
Penso que engajamento político e social transcendem o interesse particular. Não falo dos crápulas que se ligam ao poder pra conseguir arranjos interessantes aos seus negócios. Estou falando em verdadeira preocupação com os problemas sociais. Mesmo que eu não utilizasse o serviço da Turilessa/Autotrans, ainda assim levaria minha indignação à frente, ao ver o povo sendo lesado por uma empresa que apresenta um serviço ruim em vários sentidos e que, atrelada ao poder público, conseguiu garantir o seu monopólio até 2017, contrato esse que vem da gestão anterior, mas que foi renovado sob mandato da atual prefeita em março de 2007. E não preciso receber hambúrgueres ou qualquer coisa pra defender o que acho certo.

Qual é a sua opinião sobre a oposição Lavrense?

Bom, como disse, a câmara dos vereadores em Lavras tem apenas um vereador que se apresenta como oposição. Seria ele o mecenas que o blogueiro aponta como patrocinador da indignação contra o aumento da tarifa de ônibus? Seria ele a mente que nos manipula das sombras para que não queiramos pagar preço abusivo por um serviço ruim? Não conheço o vereador, nunca conversei com ele e também nunca votei nele. Sei que ele questionou o aumento da tarifa por ter lido na Tribuna de Lavras, o jornal de oposição ao qual me reportei (será que com isso eu derrubo a acusação do blogueiro, que afirma que não lemos os jornais da cidade), em reportagem publicada no dia 28 de janeiro. Mas não sei se ele está tomando outras medidas a respeito. 
Você é misericordioso com o seu rebanho?

Isso é outra coisa risível no texto do blogueiro. O tom que ele dá ao texto faz parecer que somos uma quadrilha, ao utilizar os termos "líder" e "cúmplice" associados. É mais um indício de como as oligarquias lavrenses e seus lacaios estão desacostumados à contestação. Ele me coloca como líder dessa mobilização. Não me reconheço como líder. Simplesmente levantei a questão do aumento da tarifa numa comunidade da UFLA, expondo minha indignação, e disposto a fazer algo a respeito. A partir disso, pude travar contato com outros conterrâneos indignados, sendo que estamos conjuntamente buscando mobilizar os lavrenses contra a exploração.
Um outro ponto que gostaria de comentar é que o blogueiro afirma que realizaríamos um protesto na última sexta-feira, dia 03 de fevereiro. Isso não aconteceu (ainda). Simplesmente nos reunimos e debatemos questões referentes ao transporte público e começamos a nos organizar pra dar uma resposta, pra demonstrar o descontentamento da população lavrense. Eu me pergunto quem afinal de contas está promovendo a desinformação.
O que me incomodou sobremaneira foi o abuso do blogueiro, que postou informações minhas e de outra estudante em sua página sem autorização, sendo que na imagem do meu perfil outros amigos acabaram sendo também expostos. Quem lhe deu o direito de expor minhas informações na sua página? Eu enviei dois e-mails ao blogueiro solicitando a retirada dessas imagens e não obtive respostas. Recebi dezenas de mensagens - muitas de pessoas que ainda não conheço - indignadas com a atitude do blogueiro, garantindo seu apoio e sugerindo que eu o processasse. Estou avaliando que medidas tomar.
Você é ligado à algum grupo politico? Qual? Ele pega em armas?
Não sou ligado a nenhum grupo ou partido político. Minha atuação junto ao movimento estudantil em São João del-Rei foi tímida ao longo de toda a graduação, tendo participado diretamente apenas em alguns poucos processos. Nos últimos semestres da graduação tive uma relação um pouco mais próxima com o Centro Acadêmico de História. Pra quem não sabe, o DCE-UFSJ é uma organização suprapartidária, composta pelos centros acadêmicos organicamente articulados, que elegem seus delegados para o Conselho de Entidades de Base, onde se delibera a respeito das pautas estudantis. Respeito muito o DCE-UFSJ, que me fez ver a força que o movimento estudantil pode ter, conseguindo importantes vitórias para a comunidade estudantil. Ah... e sem pegar em armas. (rs)
Qual foi a sua dificuldade em entender a matéria do Jornal de Lavras que dizia que 2,60 é abusivo e 2,35 é caridade? Tinha erro de português ou você saltou alguma vírgula?
Tendo a desconfiar de discursos oficiais. O Jornal de Lavras é afinado demais à atual gestão para meu gosto. Como exemplo, temos o caso da denúncia do Ministério Público quanto ao mau uso de dinheiro público, em que foram acusados a prefeita, o vice e todos os vereadores da cidade, que teriam gasto em torno de 500 mil reais irregularmente em despesas pessoais. O caso repercutiu na grade imprensa, tendo sido reportagem no G1 e no Estadão. Na denúncia em questão, os senhores vereadores teriam gasto 20.000 reais com combustível, sendo que muitos moram nas proximidades da câmara e na prefeitura, teríamos 28 mil reais gastos com viagens, estadia e até mesmo bebidas alcoólicas. Mas o Jornal de Lavras não publicou. Publicou apenas uma nota de esclarecimento da prefeita, que trazia um texto cifrado, inacessível à maior parte da população - parcela na qual me incluo - escondendo-se atrás de linguagem jurídica.
É dito na reportagem do Jornal de Lavras que a Autotrans teria enviado nova planilha de custos à prefeita, solicitando o aumento da tarifa, levando em conta "
o custo de insumos como combustível e pneus e outros itens constante em planilha de custo" (trecho retirado da reportagem do Jornal de Lavras, de 24 de janeiro). O jornal diz ainda que receberam outra informação, embora NÃO conste na planilha, que colocaria uma suposta diminuição do número de usuários, medida pelo IPK (Índice de Passageiros por Quilômetro). Onde estão esses números? Por que a prefeitura não divulgou a planilha de custos da Autotrans? Por que não divulgaram a forma como foi feita o cálculo. O blogueiro me acusa de desinformação. Mas acho que esse é um problema geral da população lavrense diante da ausência de transparência da atual gestão.

Você lê os jornais lavrenses? Qual deles tem as figuras mais bonitas?

Leio com freqüência pelo menos a Tribuna de Lavras e o Jornal de Lavras, que poderíamos classificar respectivamente como oposição e situação. Não há isenção política nesses jornais e nem cobro isso. Acho que o discurso da "imparcialidade" da imprensa é uma grande hipocrisia, embora nos casos em questão essa vinculação política seja bastante escancarada. Penso que isso é visível pra toda a população. Mas acredito em honestidade intelectual, apesar das vinculações políticas. O papel da imprensa é informar e não justificar fulano ou siclano que fazem parte de uma ou outra facção. Em todo o caso, leio ambas as folhas e construo dialeticamente meu próprio juízo a respeito das questões colocadas por uma e outra.
Por que você não se informou antes de incitar uma população inteira, menino?

O blogueiro diz que não nos informamos. Ele não deve saber disso (ou talvez saiba, já que ele demonstrou saber tanto a meu respeito), mas procuramos informações até junto ao Ministério Público. Com os dados que tínhamos, discutimos o problema na praça dr. Augusto Silva no último dia 3. E como disse e volto a afirmar: o problema de desinformação é geral, diante da ausência de transparência da atual gestão. A população foi incitada não por mim, mas pelas condições do transporte público em Lavras hoje, ante esse monopólio que, com a anuência da prefeita, aumenta a tarifa sempre que lhe apraz. A população não pode ser refém desse conluio.
Queria dizer ainda aos funcionários da Autotrans que a nossa luta também é por vocês, por melhores condições de trabalho. Porque pelo que me parece, a empresa reduziu os seus quadros. Vejo muitos (muitos mesmo) ônibus em que o motorista é constrangido a fazer também o papel de trocador. Como se lhes exige cumprimento de horário, freqüentemente os vemos dando troco com o veículo em movimento, o que coloca em risco passageiros, pedestres, demais condutores e eles próprios.

Você visava se destacar com as gatinhas com a proposta de discutir o tema ou isso foi só uma dádiva do César Mori?

O blogueiro tem muita imaginação mesmo. (rs) Acho que há maneiras mais viáveis de "se destacar com as gatinhas" do que buscar uma mobilização por uma causa justa. Tem gente que prefere investir no futebol ou no violão. Como eu digo, quando faltam os argumentos, frequentemente a calúnia e a desonestidade intelectual são os caminhos tomados, como pudemos ver no blog em questão: o Observador. Talvez caiba uma sugestão para o referido blogueiro. Que tal "o Observador Míope"? Ah... acho melhor não. Miopia é uma limitação física e não uma deficiência de caráter.
 
O que foi aquela palhaçada na praça? Você e seus capangas planejam continuar com isso? Tem planos futuros?
Tivemos uma primeira reunião pra discutir pautas. Compareceram 16 pessoas. Chegamos à conclusão que precisamos de maiores informações e de buscar articulação com alguns grupos já consolidados dentro do movimento estudantil, sindicatos, associações de bairros etc. Já nos organizamos pra contatar esses grupos. Podem ter certeza que não vamos parar por aqui, enquanto não capitalizarmos todo o descontentamento da sociedade lavrense contra os desmandos desse conluio Autotrans (Turilessa) / Prefeitura. Estamos buscando articulação com esses grupos e com a comunidade descontente como um todo. Teremos nova reunião após o Carnaval em que, se tudo correr bem, conseguiremos constituir verdadeira assembléia popular, onde discutiremos que medidas tomar. Devemos divulgar data, horário e local o mais breve possível.
Por que você acha que qualquer tentativa de se tentar discutir política em Lavras é completamente rechaçada? Bons governantes não conversariam com o povo ao invés de ficarem expondo seus profiles como se fossem bandidos?

Com toda a certeza. E o problema é essa mentalidade provincialista autoritária, desacostumada à 
contestação. As oligarquias lavrenses estão acostumadas a esse status quo. E quando uma voz se ergue para criticar e contestar as medidas que toma, é logo vista como herética e submetida a retaliações e coações as mais diversas. Não é crime contestar as ações das pessoas que nós elegemos. Não é crime levantar demandas sociais. É exercício de cidadania.
Não somos uma quadrilha baseada em "líderes" e "cúmplices", como quer o blogueiro. Quadrilha poderemos chamar nossos representantes, caso seja provado que gastaram ilegalmente 500 mil reais do nosso dinheiro em despesas pessoais, conforme acusação do ministério público. Somos lavrenses! Somos universitários, secundaristas, trabalhadores, eleitores, cidadãos, movidos por um interesse comum: transporte público de qualidade com preço justo!  

A là Skylab: Qual foi o lucro obtido?


Até agora, de sopetão, eu diria um texto de um blogueiro, em que me calunia e me difama, além de 
expor sem autorização informações de meu perfil em uma rede social. (rs)
Falando sério... o lucro foi conhecer pessoas realmente interessadas no bem comum, dispostas a criticar, questionar e lutar por seus direitos. Pessoas, que em sua honestidade, julgam abusivo o aumento da passagem e ruim o serviço que recebem. Nosso objetivo é envolver mais e mais pessoas nessa causa. Não podemos sempre esperar dos outros. Quando afrontados por injustiças, não podemos nos limitar a resmungos. Vamos à luta!







*pic: Raphael Chaves, cidadão de Lavras, mestrando do curso de História da Universidade Federal de São João del-Rei, teve a sua imagem exposta por tentar discutir problemas do transporte lavrense, numa clara tentativa de transformar o direito de contestação das pessoas em crime.



*Vinicius Tobias

17 comentários:

  1. Muito bacana o texto e a propagação dessas idéias que semeam a "discórdia e desinformação de estudantes" já que segundo o Sr. César Mori "liberdade de expressão é o direito de manifestar livremente opiniões, idéias e pensamentos. É um conceito basilar nas democracias modernas nas quais a censura não tem respaldo moral."
    Devidamente respondido.
    Parabéns ao grupo Larvas por abrir espaço e ouvir esses 'absurdos' e ao mestrando Raphael por ter cometido o erro de se mobilizar em benefício da população lavrense.
    Com a devida ironia,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mais bacana, é que as colocações de César Mori, só conseguiram colocar mais em evidência as idéias as quais ele era contra, ou seja, ajudaram a combater as tarifas altissimas da Autotrans, já que gerou toda essa divulgação. Parabéns Raphael Chaves, pela posição louvável! Um abraço.

      Excluir
  2. Repudiante a atitude desse tal Sr. César Mori. Acho que pensará duas vezes ou mais antes de acusar pessoas que apenas buscam melhores condições para a população lavrense, papel esse que deveria ser dos nossos governantes.
    Me sentiria imensamente envergonhado no lugar desse nobre senhor, uma vez que os fatos foram todos esclarecidos, não se tratando em momento nenhum de oposição política. O mínimo que ele poderia fazer era um pedido de desculpas ao Senhor Raphael e toda a população lavrense.

    ResponderExcluir
  3. O pior é o argumento de que seria 2,60 se não fosse pela comissão avaliadora, não tem o menor sentido tal afirmação. 2,35 ser caro é absoluto, não importa o quanto seria sem a tal comissão.

    E a pergunta que não quer calar, o Sr. já andou de ônibus Cesar Mori?

    ResponderExcluir
  4. nada como "debater" com um Jenio....(com bastante enfase no "J" que eu peguei emprestado dum bloguero que homenageia o excelentíssimo Cerra com esse titulo). e só um outro toque... antes ausente mas consciente do que presente e omisso, isso sim é coisa de muleque..

    ResponderExcluir
  5. Ainda bem que com bom humor e sensatez toda essa baboseira tem sido desfeita! Mobilização estudantil é uma das formas mais eficientes de tocar a verdadeira política e não são argumentos frajutos e sem o mínimo de sestentação que irão embargar a iniciatíva legítima do POVO (estudantes, trabalhadores, ricos, pobres, brancos, pretos, heteros ou homossexuais, etc, etc.) de brigar por um direito.

    ResponderExcluir
  6. Cesar Mori, dá print no meu face, e no de monte de gente também!

    ResponderExcluir
  7. Cara, quem é Cesar Mori? Espero que este "cidadão Lavróide" estude um pouco mais antes de comentar...

    Quanto a entrevista: Muito bom me deparar com pessoas de opiniões contrárias à situação, e como citado pelo sr. Rafael, não um bando de "Maria-vai-com-as-outras" como podemos ver na Câmara. É isso ai gente: Ano de tirar todo mundo de lá, e claro, se possível, fazer com que essa corrupção pare e que os verdadeiros corruptos tenham seus bens travados e devolvidos ao povo...

    ResponderExcluir
  8. Muito coerente sua "resposta". Só pontuaria algo mais, não sei suas condições financeiras, mas caso tenha, processa o cara, peça direito de resposta. Acho que foi muito grave que essa pessoa fez, por isso procure a "justiça"- apesar de andar bem desacreditado nela!

    ResponderExcluir
  9. Ótima entrevista!! muito bacana mesmo!

    Como bem disse o Raphael, a imparcialidade no jornalismo é lenda, da qual aproveitam-se os meios de comunicação para tentar mascarar suas relações políticas (muitas vezes pessoais) como interesse público (desculpem pela generalização). Portanto e sinceramente, qual a vantagem em questão de esclarecimento, de lermos todos os jornais da cidade? Pode ser que nos sirvam como algum parâmetro se soubermos a quem andam servindo.. do contrário, enganação.

    Mas felizmente, ninguém a não ser César Mori tem mais coragem de insuflar o ego da atual imprensa. E diferente dela, parabéns a todo aquele que sai da cômoda máscara da neutralidade e dá a cara a tapa. Muitas vezes, literalmente. Valeu Larvas!

    ResponderExcluir
  10. Bacana. Parabéns Raphael pela "ousadia" e parabéns ao grupo Larvas por dar direito de resposta a ele...

    ResponderExcluir
  11. Como sempre aqueles que lutam por uma sociedade mais justa nunca se encontram isentos das podres xacotas dos Conservadores-Ignorantes. Pobre sociedade! Até quando a galera vai ficar pondo o pé na janta dos que querem o melhor. O foda é q esse melhor não é egoísta, é um 'melhor' pra todos pô. As vezes parece que a sociedade caminha pra trás com tanta gente ridícula, hipócrita e mesquinha (desculpa César, mas vc parece ser assim). Mas essa é uma visão muito extrema...Porque numa dessas a gente encontra um ser como esse saudoso rapaz aí d q n conheço (Raphael Chaves) e faz a gente pensar que a sociedade caminha SIM pra frente, com os olhos, ouvidos e braços ABERTOS, com pessoas militantes, esforçadas, cheias de querer bem-querer. Só não enxerga quem não quer. O povo precisa é se mobilizar mesmo. Taí o exemplo do cara. Valeu Larvas, temos sempre que divulgar o movimento dos que lutam por uma sociedade menos discrinatória com os que não são valorizados (nós, o POVO brasileiro).

    ResponderExcluir
  12. Me desculpe, mas eu ri dessa parte:

    "...além de expor sem autorização informações de meu perfil em uma rede social. (rs)"

    Seu perfil está lá e é público, qualquer pessoa pode publicar ele em qualquer lugar na internet e pode fazer isso sem pesar nenhum. Não tem nenhuma lei que proiba. Não quer que isso aconteça? Exclua suas redes sociais.

    Quanto ao César Mori: ele acha que só quem usa ônibus é que pode protestar contra aumento de passagem... essa é a raiz do egoísmo e individualismo dos brasileiros. Tosco.

    ResponderExcluir
  13. Caro Raphael, o debate sobre o aumento das tarifas de önibus, será dia 28/02 terça-feira no salão da pároguia N. S. Auxiliadora.

    ResponderExcluir
  14. Caro Raphael.Você já leu a ultima do bloqueiro.Se vê,que náo encherga um palmo a frente do nariz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. :)
      Decidimos tocar a mobilização sem darmos mais atenção ao blogueiro. Afinal de contas, o texto-resposta dele não serve como tréplica, já que não discute nenhum dos pontos aqui colocados... e se resume a acusações infundadas (já que, pra ele, quem critica a Jussara necessariamente adora o Cherém, o que não tem qualquer sustentação) e injúrias. Estarei hoje no debate, com toda a certeza.
      Obrigado.
      Um Abraço.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...