Como amo o meu país - Affonso Romano de Sant'ana

1
Com aquela melancolia que ao entardecer
                                                             em Teresina
eu olhava do outro lado do sujo rio
                                                 a vilazinha de Timon,
com a fúria da multidão endomingada martelando caranguejos
entre farofa e cerveja
                              numa praia em Aracaju,
com a penitência de quem amassa o barro
que depois vira anjo nas mãos de mulheres de Tracunhaém,
com a sordidez marinha do jangadeiro
                                                       em Cabedelo
empurrando a esperança mar adentro
e a repartir a espinha do dia morto sobre a areia,
com a cadência magoada do vaqueiro tangido nos seus cornos
a recolher o sal e a solidão
                             nos currais de Minas, em Curvelo,
assim
          eu amo este país que me desama.
2
Deveria deixar de amá-lo como sub ser vivo
                                  e amá-lo ostensivo
                                  num tropel de bandeiras
                                  num estádio de urros
                                  e canções guerreiras?
Amo este país
                      como o hortelão cuida e corta
a praga de sua horta
                e parte com seu cesto a bater de porta em porta,
com a resignação do operário
                       abraçado à neblina da marmita,
quando larga os panos e a mulher na madrugada
e sai do café quente de sua casa
e desce nos vagões de medo ao fundo da espúria mina.
3
Deve haver quem ame o seu país
                                 como quem escarra em casa própria,
                                 coça o saco na calçada,
                                 arrota e palita os dentes,
                                 entorna cachaça ao santo
                                 suando a alma e o corpo
                                 no ébrio espasmo do gol.
Uns amam seu país
como o mendigo o seu muro,
como o agiota o seu juro.
Outros
         como o domador às suas feras:
                                                  — distância e precisão —
         para evitar que o povo
                                   — lhe arranque o poder da mão.
Outros amam seu país
como o carcereiro à prisão,
o lenhador a floresta
e o carvoeiro o carvão.
Há quem ame no palco e pista
sem máscaras, expondo as vísceras,
e há quem o ame sonolento
num camarote ou nas frisas 
enquanto o cantor, o cavalo e o jogador
se atropelam numa ópera surrealista.
Há quem o ame com o cáustico e sádico amor
com que o gigolô deprava e surra a cansada mulher das madrugadas
ou quem o ame 
                        como a própria mulher
                                    furando seus cartões ao som do sexo
                                    aviltado no metal da orquestra.
4
Eu, quando posso, 
                            ponho minha alma num carro de bebê 
                            e vou levá-la ao sol da praça. Praça
                            que ninguém mais conheceu
                            que Felipe dos Santos atado
                            à cauda do cavalo, cimentando o chão
                            com o repasto de seu sangue.
Fora isto
             com a passividade estrangulada do índio
             carregando as armas do invasor
tenho a ingenuidade e os desperdiçado amor
dos Kreen-Akarores em suas matas
quando viram os berloques e espelhos
                                                        trazidos
pelos irmãos Vilas-Boas
                                    do outro lado do rio.
Desde então
eu amo este país
                       — como a prostituta ama a estrada.
*e você como ama seu país?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...